terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

MODO TEXTO : ALIADO OU VILÃO? - Parte II


Olá, estamos de volta aqui para continuarmos nossos estudos e testes.

Agora iremos ver como devemos proceder para a fase de pré-configuração do nosso sistema operacional Oracle Enterprise Linux 5, para que possamos então instalar nosso software de banco de dados e dar continuidade ao restante das etapas.

Espero que apreciem.


CONFIGURANDO ARQUIVOS DE SISTEMA OPERACIONAL

Primeiramente devemos saber que, essas customizações feitas em nosso sistema operacional são necessárias para assegurar não só o ACEITE do software gerenciador dos recursos de máquina ( OEL 5) como também para podermos satisfazer os pré-requisitos estipulados pelo fabricantes, para assegurar o bom funcionamento do banco de dados Oracle nesta plataforma.

Eu mesmo já me peguei muitas vezes perguntando do porque é tão "complicado", configurar um banco em linux e em Windows é tão simples, umas instalação NNF (Next-Next-Finish) resolve todos os problemas.

E minha resposta para minha surpresa foi em forma de constatação, olhe para o lado e veja o desempenho, compare a performance, tempo, utilização de recursos de máquina (CPU), controle de processos internos e externos ao Oracle, enfim é uma infinidade de beneficios, mas se você não possui conhecimentos suficientes para usar Linux, monte uma Virtual Machine, teste, stresse seu ambiente isso valerá muito a pena.

Bem, vamos ver então a relação de arquivos que devemos atualizar:

1) SYSCTL.CONF
- Localização : /etc/
- Conceito: este arquivo contem as informações relacionadas aos semaforos de controle vinculados ao Banco de dados Oracle , onde estabelece uma relação entre sistema operacional e sistema de banco de dados, impondo limites em forma de parametros.

 Usando um editor de sua preferencia , navegue até o diretório onde está localizado o arquivo e adicione as entradas acima citadas, veja abaixo as entradas em detalhe :


#Definicoes para Oracle Database 10g R2
#kernel.shmall = 2097152
#kernel.shmmax = 2147483648
kernel.shmmni = 4096
# semaphores: semmsl, semmns, semopm, semmni
kernel.sem = 250 32000 100 128
#fs.file-max = 65536
net.ipv4.ip_local_port_range = 1024 65000
net.core.rmem_default=262144
net.core.rmem_max=262144
net.core.wmem_default=262144
net.core.wmem_max=262144



Feito isso para que possamos valida-las é necessário executar um comando chamado SYSCTL -P, veja como é feito na figura á seguir :


 Pronto, com os parametros validados em nosso sistema operacional, é hora agora de irmos para o nosso próximo arquivo a ser editado.


2) LIMITS.CONF
- Localização: /etc/security/
- Conceito : é o arquivo que definirá os limites de recursos usados por determinados usuários do sistema operacional.




Vejam acima que ele fica um nível abaixo, e nós adicionaremos as seguintes linhas ao final deste arquivo:


#Definicoes para Oracle Database 10g R2
*               soft    nproc   2047
*               hard    nproc   16384
*               soft    nofile  1024
*               hard    nofile  65536
# End of file







Mais uma vez usando um editor de sua preferencia você pode editar este arquivo tranquilamente.



ATENÇÃO: Vale ressaltar que , as linhas que colocamos nestes arquivos de sistema operacional são em forma de ADIÇÃO, ou seja, o restante que já estiver nos arquivos não deverá ser alterado, a menos que você já seja um usuário EXPERT, para o qual essas orientações não serão necessárias.


3) LOGIN
 - Localização:/etc/pam.d/
 - Conceito: defini o nome de serviço de login instalando arquivos de configuração





Ok, mais uma etapa vencida e a linha adicionada a este arquivo foi :


#Definicoes para Oracle Database 10g R2
session    required     pam_limits.so



Excelente , estamos chegando ao final desta fase de pré-reqs para o software Oracle.

Por hoje ficamos por aqui, volto em um próximo artigo para falarmos das configurações de USUÁRIO, GRUPOS, PERMISSÕES e .PROFILE do usuário Oracle.

Vejo vocês no próximo artigo!!!


Abraço á todos!!!